Fragmentos de mãe e filha

Somos pedaços,

Pequenos fragmentos de outras vidas.

Em nosso sangue pulsa a fidelidade amorosa aos nossos antepassados.

De geração em geração as mulheres foram tecendo a grande teia da vida.

Com olhares, afagos, palavras, medos e superações foram se construindo;

A avó que concebeu a mãe,

Que deu a vida á filha.

Que gerou a neta…

Fluxo incessante de amor!

Somos comuns, falíveis, incompletas

Mas nossas limitações não maculam o amor,

O amor sagrado e onipotente que nos fez gerar vida!

A humanidade se renova e se mantém viva pela força deste amor!

Como filha me aninho no colo que acalma,

Sou acolhida pela palavra sábia,

Orientada com a bronca tantas vezes necessária.

Como mãe sou…

Colo que aninha;

Palavra que acolhe

Bronca que orienta!

O ciclo continua incansavelmente,

E a vida pulsa no mais sublime amor

Somos fragmentos da imperfeição humana mesclados pela divindade materna!

Andréa Wolney

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *